Artigos

É extremamente comum o fato de pessoas com alergia ou intolerância alimentar sentirem-se chateadas e excluídas por não poderem comer de tudo. E quando são convidadas a certos programas com amigos ou familiares, elas simplesmente recusam. Algumas até chegam a se sentir mal ao verem seus familiares constrangidos por comerem alimentos que elas não podem ingerir.

Comer fora de casa pode ser ainda mais desagradável para as crianças. Alguns pais, inclusive, desistem de levar seus filhos para festas de aniversário de amigos, o que certamente os deixa bastante tristes. É por causa desses e outros motivos que muitas pessoas preferem evitar comer fora de casa. Mas enquanto umas se privam desse prazer, outras simplesmente tomam algumas medidas para que o cotidiano não seja tão afetado.

Uma dessas medidas é levar um lanche ou até mesmo uma refeição completa feita em casa para o encontro em uma marmita, por exemplo1. Assim, a pessoa que sofre com alergia ou intolerância alimentar não se sente excluída e, ao mesmo tempo, não corre o risco de ingerir algum alimento que não possa comer. Esta medida deve ser adotada não apenas para idas a restaurantes, como também a bares, buffets e piqueniques.

Dicas para comer fora de casa

Planeje-se com bastante antecedência

Antes de tudo, é preciso conhecer o lugar onde se vai comer. Se quem escolhe o restaurante é você, então recorra à internet e busque o site ou as páginas que o estabelecimento mantém na redes sociais e veja se ele disponibiliza de um menu online. Neste menu, verifique as opções de pratos e veja se algum deles é adequado para a sua dieta. Prefira restaurantes que ofereçam menus separados para dietas sem glúten, leite, ovos, etc. Quando privilegiamos os restaurantes, padarias, lanchonetes, etc. que tratam os alérgicos com inclusão, incentivamos que cada vez mais empresários e estabelecimentos do ramo prestem atenção a essa parcela cada vez mais significativa da população. Além disso, há muitos pequenos empresários que já abrem lojas e restaurantes direcionados diretamente para este público das pessoas com alergia ou intolerância alimentar. Em algumas capitais do Brasil por exemplo, como São Paulo, Rio de Janeiro (Niterói), etc. já conseguimos ser atendidos em ambientes totalmente preparados para receber por exemplo, famílias com crianças alérgicas. Isso é algo bem mais comum em países do primeiro mundo, mas começam a aparecer no Brasil.

Dentro do restaurante, vale lembrar que, mesmo não contendo o alimento que você não pode ingerir, o prato ainda pode ter sido contaminado por ele, em um fenômeno chamado de contaminação cruzada; a contaminação acontece quando uma substância alergênica entra em contato indiretamente com a pessoa, causando-lhe uma reação alérgica2.

Vamos supor que um cozinheiro utilizou uma faca para cortar um pão francês. Se ele utilizar essa mesma faca para passar manteiga em uma torrada sem glúten, então a pessoa que têm intolerância a esta substância pode sofrer uma reação. Até mesmo as luvas utilizadas pelo pessoal da cozinha, que entram em contato direto com os alimentos, podem desencadear reações em pessoas alérgicas ao látex. Por isso, é importante que você também verifique a forma como o pessoal trabalha.

Limpando a cozinha

Imagem licenciada – Adobe

O recomendável é que você telefone para o restaurante e fale com um dos encarregados pela cozinha para saber como a equipe lida com a contaminação cruzada, explique suas restrições alimentares de forma detalhada e pergunte se é seguro comer no local3.

Caso não seja um restaurante com práticas seguras em relação às contaminações cruzadas, tenha a mão material para higienizar a mesa, como lenços umedecidos ou álcool gel. Quando a alergia é severa, o simples contato com algum alérgeno da mesa pode levar a uma reação. Principalmente no caso das crianças, que tendem a usar as mãos para comer, ou levar as mãos à boca.

Informe ao restaurante as suas restrições

Mesmo que você já tenha falado com um dos responsáveis pela cozinha, informe ao pessoal do restaurante as suas restrições alimentares e certifique-se de que todos os envolvidos (garçons, cozinheiros, etc.) entenderam a seriedade da questão. Mencione também a possibilidade de contaminação cruzada e a necessidade da equipe ter que checar os rótulos de todos os ingredientes utilizados no preparo dos alimentos.

No telefone

Imagem licenciada – Adobe

Mais importante do que telefonar para o restaurante e informar todas essas questões, é escrevê-las em um papel para que o pessoal esteja ciente de todos os detalhes de sua condição. Você pode utilizar o “cartão para o chef4, em que estão escritas as suas necessidades alimentares, os procedimentos para evitar a contaminação cruzada e os produtos onde os ingredientes que não podem ser ingeridos podem estar presentes.

Escrevendo a mão

Imagem licenciada – Adobe

Procure ir num horário em que o restaurante não esteja cheio

A maioria dos restaurantes costuma lotar na hora do almoço e na do jantar. É nestes momentos que a equipe do restaurante fica mais pressionada para atender rapidamente os clientes. Pessoas com alergia ou intolerância alimentar devem procurar evitar frequentar restaurantes nestes horários, já que as chances dos cozinheiros esquecerem-se de suas restrições alimentares e da contaminação cruzada são bem altas.

Prepare a sua própria refeição ou lanche em casa

Caso não queira ter o trabalho de fazer todo esse planejamento, e mesmo assim deseje ir à um restaurante sem se preocupar em ter reações alérgicas, então o que você pode fazer é preparar a sua própria refeição em casa. Para aquelas pessoas que ainda não estão acostumadas a preparar a sua comida e não sabem escolher os alimentos certos para a sua dieta, o ideal é que elas procurem a ajuda de um nutricionista. Mas na verdade é bem mais simples do que parece e pode se tornar uma rotina sem complicações, além de ter a vantagem que você prepara o que gosta de maneira saudável e embarca em um movimento que cresce muito em todo o mundo: o da redescoberta dos prazeres de cozinhar e da comida caseira.

Esta dica também vale para os pais que querem que seus filhos não sejam privados de encontros com amigos, ou mesmo com seus familiares. Eles podem preparar as refeições da criança em casa com base em sua dieta e colocá-las em uma lancheira ou marmita. Dessa forma, elas têm a possibilidade de participar de festas de aniversários de amigos e outros tipos de encontros sem se sentirem excluídas.

Refeição embalada

Imagem licenciada – Adobe

Tenha sempre em mãos material necessário para higienizar mãos e mesa, assim como alguns descartáveis

Novamente, quando não é possível confiar nas práticas usadas pelo restaurante no tocante à contaminação cruzada, é essencial levar algum produto que permita a higienização das mãos e da mesa, como lenços umedecidos ou álcool gel.

Gel de limpeza

Imagem licenciada – Adobe

Nesta mesma situação, não se envergonhe de levar material descartável para o consumo seguro da sua comida, como talheres, copos, canudos e pratos.

Pratos descartáveis

Imagem licenciada – Adobe

Lembre-se que comer fora é uma oportunidade de dividir o ambiente com amigos e familiares. Todas as precauções devem ser tomadas para garantir que o momento seja prazeroso e seguro para todos. E como dissemos, já existem restaurantes e outros estabelecimentos que atendem as pessoas com alergia ou intolerância alimentar de maneira diferenciada. Apoie essas iniciativas! Isso é inclusão!

Aplicativos

Aplicativo de celular

Imagem licenciada – Adobe

Quem sofre com alergia ou intolerância alimentar, sabe o quão difícil é a tarefa de encontrar restaurantes, panificadoras e cafés que ofereçam um cardápio que contenha alimentos adequados à sua dieta e que possuam uma equipe preparada para lidar com a questão da contaminação cruzada. Mas já existem alguns aplicativos que mostram a localização de estabelecimentos preparados para atender pessoas que seguem dietas restritivas. Notem que alguns desses aplicativos (principalmente os brasileiros) ainda estão iniciando. Os aplicativos que são estrangeiros podem auxiliar, mas infelizmente ainda não cobrem bem o território brasileiro. De qualquer forma, vale a pena conhecê-los, pois é questão de tempo até que haja serviços de qualidade e realmente úteis aqui no Brasil para essa audiência de alérgicos e intolerantes. Apresentamos abaixo alguns apenas alguns exemplos desse tipo de aplicativos:

  1. Myholyfood: Com o aplicativo MyHolyFood, a pessoa que sofre com alergia ou intolerância alimentar pode localizar um restaurante, lanchonete ou panificadora que ofereça alimentos sem glúten e sem açúcar. Esse aplicativo também permite que o usuário cadastre estabelecimentos que ele conheça e contribua para que milhares de pessoas com alergia ou intolerância alimentar tenham uma vida mais saudável.
  2. Zero%: O Zero% é voltado para aquelas pessoas que precisam seguir uma dieta sem glúten ou sem lactose. Ele mapeia somente os estabelecimentos mais confiáveis e que disponibilizam alimentos de qualidade sem esses dois ingredientes. O Zero% também disponibiliza receitas sem glúten ou lactose que ajudam os seus usuários a preparar a sua própria comida, caso não queiram sair para comer fora.
  3. Achei sem Glúten: O Achei sem Glúten é um aplicativo que mostra uma longa lista de locais onde as pessoas que não podem ingerir alimentos com glúten podem frequentar com tranquilidade. O diferencial do Achei sem Glúten é que ele mostra, além de lojas e restaurantes, estabelecimentos que disponibilizam o serviço de tele-entrega. Assim, a pessoa pode fazer o seu pedido por telefone e desfrutar de sua comida sem glúten em casa ou no trabalho.
  4. GoodGuide: O GoodGuide não mostra uma lista com estabelecimentos que ofertam produtos voltados para pessoas alérgicas ou intolerantes. Na verdade, ele é um aplicativo que auxilia essas pessoas a avaliar um produto antes de comprá-lo. Com o GoodGuide, elas podem verificar os ingredientes que compõem o produto, ler o seu rótulo e se certificar de que ele não causará danos à sua saúde.

Serviços de assinatura

Muitos sites de assinaturas também estão dando às pessoas com alergias ou intolerâncias alimentares a possibilidade de adquirirem produtos naturais e saudáveis apropriados para a sua dieta e os receberem no conforto de seus lares. A maioria deles oferece snacks artesanais livres de glúten e lactose. Mas há também alguns que disponibilizam pães, doces, bebidas, bolos e cereais totalmente livres desses ingredientes.

  1. Farofa.la: O Farofa.la oferece dezenas de produtos artesanais livres de glúten (podendo conter traços de glúten) e lactose que podem ser consumidos no café da manhã ou no lanche da tarde. Os produtos também não contêm corantes, conservantes, adoçantes e aromas artificiais.
  2. Clube do Zero: O Clube do Zero disponibiliza aos seus assinantes um mix de produtos de acordo com a dieta escolhida. Se a pessoa possui intolerância à lactose, por exemplo, ela deve escolher o kit zero lactose, que contém uma grande variedade de produtos livres desse ingrediente.
  3. GlutenFree Box: A GlutenFree Box busca novidades do “universo sem glúten” e escolhe um mix de produtos das melhores marcas para enviá-los a seus assinantes. As caixas de produtos podem conter variedades, como pães, bolos e bebidas, ou aperitivos, como snacks e barras.
  4. Best Berry: A Best Berry é uma empresa que oferece diversos produtos livres de corantes, adoçantes, conservantes e gorduras trans, feitos com alimentos frescos e naturais. O assinante também tem a possibilidade de escolher produtos sem glúten ou sem lactose.

Cada vez mais serviços como aplicativos e clubes de assinaturas existem para pessoas com restrições alimentares. Certamente a lista acima não é conclusiva! Se você conhece algum outro que não listamos aqui, aproveite para compartilhá-lo com a gente nos comentários!

Referências

1. UOL. “Vilões” do momento, glúten e lactose podem causar intolerâncias se ingeridos em excesso.
2. Dicas de Mulher. Como conviver com a alergia alimentar com saúde e bem-estar.
3. Instituto Girassol. Alimentação fora de casa e alergias alimentares.
4. Food Allergy. SafeFARE: Chef Card Template (Portuguese).