Alergias e Intolerâncias • Alergias e Intolerâncias

Em uma época em que as alergias alimentares tornam-se cada vez mais frequentes, são muitas as dúvidas sobre o que fazer após suspeitar-se de alergias ou serem diagnosticadas. O leite de vaca corresponde ao principal alimento causador das alergias alimentares em crianças, e próximos a ele estão o trigo, ovo, soja, amendoim, castanhas, peixes e frutos do mar1.

A alergia a soja é uma das alergias alimentares mais comuns, especialmente entre os bebês e crianças. Aproximadamente 0,4% das crianças são alérgicas a soja. Estudos indicam que uma alergia a soja geralmente ocorre na infância e embora muitas vezes possa ser superada até os três anos de idade, as pesquisas indicam que para a maioria das crianças a alergia desaparece até os 10 anos de idade9.

Considerada um alimento saudável, a soja é bastante indicada para adultos, mas não se pode dizer o mesmo quando tratamos de crianças. A alergia isolada a soja ocorre com baixa frequência nos pequenos com até três anos de idade, no entanto, em torno de 11% a 14% das crianças com APLV (IgE mediada) podem apresentar reação à soja, por isso é preciso estar sempre atento aos sinais e sintomas após sua ingestão2.

Crianças diagnosticadas com Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), muitas vezes recebem como substitutos na alimentação as bebidas a base de soja. No entanto, por causa desse risco de sensibilização a soja, essa introdução deve ser sempre discutida com um especialista para compor a dieta mais recomendada para essa faixa etária3,4,5.

As reações alérgicas a soja são tipicamente leves. No entanto, reações graves (como a anafilaxia) podem ocorrer, embora raramente. Para evitar uma reação, uma dieta rigorosa de eliminação da soja e produtos de soja é essencial.

Descobri APLV em meu filho – Posso oferecer leite de soja?

O tratamento para a APLV será a exclusão total do leite e seus derivados e a utilização de substitutos adequados. A escolha depende da idade da criança, do tipo de manifestação clínica (IgE mediada ou não), aceitação, composição nutricional e custo2.

É estabelecido pela Organização Mundial da Saúde que todos os bebês recebam exclusivamente o leite materno até os seis meses de idade, no mínimo. Após essa fase eles passam a receber outros tipos de alimentos3, os quais não deveriam incluir o leite de vaca e as bebidas de soja.

A Sociedade Brasileira de Pediatria considera que alimentos à base de soja não são os mais adequados para as crianças com até dois anos de idade, por serem nutricionalmente incompletos e com potencial alergênico6, podendo, inclusive, causar deficiência nutricional no bebê6.

Assim como o leite de vaca, seu teor de proteína é alto e a mucosa intestinal ainda em desenvolvimento do bebê não está apta a digerir moléculas tão grandes6.

Para aqueles que apresentam alergia à soja, o consumo pode provocar as seguintes reações7:

  • Formigamento na boca;
  • Urticária, coceira, eczema;
  • Inchaço dos lábios, rosto, língua e garganta, ou também outras partes do corpo;
  • Secreção nasal, dificuldade para respirar;
  • Dor abdominal, diarreia, náuseas ou vômitos;
  • Vermelhidão da pele (rubor).

Reações alérgicas graves (anafilaxia) à soja são raras.

Fórmulas Infantis de Soja X Extrato de Soja

As fórmulas infantis são feitas com a proteína isolada da soja e são acrescidas de nutrientes essenciais. Não possuem lactose, importante para indivíduos com intolerância ao açúcar, nem sacarose.

Tudo o que é obtido diretamente do grão da soja não é um produto completo nutricionalmente.

Por exemplo, o extrato de soja apresenta deficiência de gorduras, carboidrato, além de não conter o cálcio, mineral tão essencial nessa fase da vida. O médico pode sugerir fórmulas infantis com proteínas extensamente hidrolisadas ou aquelas que são compostas por aminoácidos livres3,4,6

Sobre Alimentos a Base de Soja

A soja é altamente proteica, sendo que quase metade da sua composição é de proteínas (48%)2. No entanto, seu conteúdo de metionina – importante aminoácido para auxiliar na redução do colesterol sanguíneo e na limpeza de substâncias tóxicas alojadas no fígado – é baixo, o que limita o seu valor nutricional6. O processamento da soja em farinha faz com que sua digestibilidade seja melhor, pois destrói parte dos fatores antinutricionais, como inibidores de enzimas digestivas e lecitinas2.

Por ser um grão de alta produção no Brasil, a soja e produtos a base de soja são encontrados em muitos alimentos, incluindo bebidas, iogurtes, chocolate, sorvetes, produtos de panificação, biscoitos, bolachas, cereais, conservas de atum, fórmulas infantis, carnes processadas, molhos, sopas, caldos enlatados, entre outros.

Rações contendo soja também são oferecidas na pecuária. Assim, mesmo sem oferecer o “leite” de soja para a criança, é importante ficar atento aos alimentos que podem conter traços de soja.  Veja uma lista de produtos à base de soja que separamos para você ou que incluem o grão entre os ingredientes:

  • Edamame (grãos imaturos de soja)
  • Miso (pasta de soja fermentada)
  • Natto (soja fermentada)
  • Molho shoyu (molho feito a partir da soja fermentada – contém trigo)
  • Tamari (molho feito a partir da soja fermentada – não contém trigo)
  • Farinha de soja
  • Grãos de soja
  • “Leite” de soja
  • Sucos diversos
  • Iogurte de soja
  • Queijo de soja (tofu)
  • Proteína de soja
  • Tempeh (fermentado de soja semelhante a um queijo)
  • Proteína vegetal texturizada (PVT)
  • Assados (pães, biscoitos e massas)
  • Temperos prontos industrializados
  • Cereais
  • Barras de cereais e de proteína
  • Fórmulas infantis
  • Óleo vegetal de soja
  • Proteína vegetal hidrolisada (HVP)
  • Margarinas
  • Chocolates
  • Produtos com “lecitina de soja”

Note também que a culinária asiática (comida japonesa, chinesa, etc.) é considerada de alto risco para pessoas com alergia a soja, devido ao uso comum da soja como ingrediente e também pela possibilidade de contaminação cruzada, mesmo em um alimento normalmente livre de soja.

Leia sempre os rótulos dos produtos para identificar os ingredientes de soja. A soja pode não estar nos ingredientes, porém, no rótulo pode ser feito um alerta que “contém soja”. Isso acontece pois em algumas fábricas os produtos sem soja podem ser processados naquelas máquinas em que passaram alimentos à base do grão, causando contaminação cruzada.

Referências:

1Costa, J., Oliveira, M. B. P., & Mafra, I. Alergénios Alimentares: O Que São, O Que Provocam e Como Detetá-los?.

2Yonamine GH, Castro APBM, Pastorino AC, Jacob CMA. Uso de fórmulas à base de soja na alergia à proteína do leite de vaca. Rev. bras. alerg. imunopatol. – Vol. 34. N° 5, 2011.

3Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Nutrição Infantil. Caderno de Atenção Básica, nº 23. Brasília, 2009.

4Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação do departamento de nutrologia. Rio de Janeiro, 2012.

5Ferreira CT, Seidman E. Alergia alimentar: atualização prática do ponto de vista gastroenterológico. J. Pediatr. (Rio J.) v.83 n.1 Porto Alegre jan./fev. 2007.

6Nutrição Em Pauta. Cuidados com as bebidas de soja na alimentação infantil.

7Mayo Clinic. Diseases and Conditions: Soy allergy.

8ASBAI & SBAN.  Guia prático da APLV mediada pela IgE. Rev. bras. alerg. imunopatol. – Vol. 35. N° 6, 2012.

9Savage JH, Kaeding AJ, Matsui EC, Wood RA. The natural history of soy allergy. Journal Allergy Clin Immunol. 2010 Mar; 125(3):683-6.