Alergias e Intolerâncias • Alergias e Intolerâncias • Alimentação Saudável • Nutrição e Dietas

Poucas vitaminas são tão completas ao organismo quanto a vitamina D. Ela é importante para gestantes, bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. Sua deficiência pode causar problemas de saúde e mantê-la nos níveis adequados pode prevenir doenças como o diabetes, hipertensão e alergias alimentares1,2.

Diversos estudos indicam que praticamente todo o organismo se beneficia dela. Segundo o endocrinologista americano, Michael Holick, a vitamina D está relacionada a pelo menos 2.000 genes, direta ou indiretamente3.

Após nos expormos ao sol ou ingerir alimentos fonte de vitamina D, ela passa por várias etapas de modificação. Da pele, segue para o fígado e depois para os rins, até ser convertida em sua forma ativa e distribuída para os diversos órgãos que se beneficiarão dela. Um dos motivos para saber que quase o corpo todo necessita do nutriente, é que existe uma ampla variedade de receptores para a vitamina D em uma variedade de tecidos corporais como o cérebro, intestino, próstata, mamas, gônadas, células imunológicas, entre outros1.

Importante Para a Absorção do Cálcio

Também chamada de colecalciferol, a vitamina D é um hormônio esteroide, cuja função mais conhecida é o controle dos níveis adequados de cálcio no corpo, na formação e reabsorção óssea, uma interação entre as paratireoides, os rins e o intestino1.

Pessoas que não estão com os níveis adequados de vitamina D podem deixar de aproveitar 30% de cálcio proveniente da dieta. O cálcio faz parte da formação e da manutenção de ossos e dentes, e sua deficiência pode levar ao raquitismo nas crianças ou à osteoporose nos adultos. Ambos os nutrientes atuam de forma tão conjunta que uma suplementação de cálcio deve vir acompanha de vitamina D, a fim de garantir a absorção do mineral2.

É importante a gestante acompanhar durante a gravidez seus níveis de vitamina D e ingerir alimentos fontes de cálcio. Essas atitudes garantem que o bebê também receba os nutrientes e, ao nascer, tenha saúde óssea para favorecer seu crescimento.

Sua Importância Para o Sistema Imunológico

A vitamina D demonstra sua função além do metabolismo do cálcio e da formação óssea, atuando também no sistema imunológico. Ela parece estar relacionada com a regulação e formação de várias células imunológicas, melhorando a capacidade imunológica do organismo. Assim, a vitamina D torna-se muito importante para as crianças, especialmente1.

Como sabemos, o sistema imunológico está totalmente ligado às alergias alimentares. Estudos mostram a relação entre baixos níveis de vitamina D e alergia alimentar.

Um deles, publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology, acompanhou mais de 3.000 crianças e seus níveis de vitamina D. Aqueles que estavam com as concentrações mais baixas tinham mais chances de desenvolver alergias4.

Outra pesquisa do Instituto Murdoch Childrens Research, em Melbourne, na Austrália, concluiu que crianças de um ano de idade deficientes em vitamina D tendem a desenvolver alergias alimentares quando comparadas às crianças com bons níveis da vitamina5.

Crianças alérgicas à proteína do leite de vaca são motivos de atenção pelos pais, primeiro porque, devido à exclusão de laticínios da dieta, a ingestão de cálcio é reduzida. Segundo que muitas crianças hoje em dia passam horas dentro de casa, sem se expor ao sol da manhã ou do final da tarde. Equilibrar a ingestão de cálcio com os alimentos certos e incentivar a vida ao ar livre (mais ainda para as crianças) são estratégias que levam a uma melhor saúde.

Além das alergias alimentares, doenças autoimunes podem ser prevenidas ou controladas com a ingestão adequada de vitamina D. Já se sabe que artrite reumatoide, esclerose múltipla, diabetes melito tipo 1, doenças inflamatórias intestinais e outras patologias, estão intimamente ligadas com os baixos níveis de vitamina D. Uma das formas de tratamento dessas doenças é a suplementação com doses maiores, sempre orientadas por um médico1,5.

Onde posso obter a vitamina D?

Embora as fontes alimentares não sejam tão eficientes em fornecer a vitamina D em sua forma biologicamente ativa, eles podem ser auxiliares. A exposição solar ainda é a maior fonte de obtenção, sendo necessário expor braços e pernas sob o sol por, pelo menos, de 15 a 20 minutos, no mínimo três vezes por semana, sem protetor solar, até às dez da manhã ou após as quatro da tarde. Caso você tenha algum problema de pele que o impeça de seguir essa recomendação do Ministério da Saúde, converse antes com seu médico, e ele saberá lhe orientar6.

Veja algumas fontes alimentares da vitamina D2:

Atum (100 gramas) –  227 UI* (2,27% da IDR**)

Sardinha (100 gramas) – 193 UI (1,93% da IDR)

Ovo (uma unidade) – 43,5 UI (0,43% da IDR)

Queijo cheddar (50 gramas) – 12 UI (0,12% da IDR)

Carne bovina (100 gramas) – 15 UI (0,15% da IDR)

*UI = Unidades Internacionais.

** IDR = Ingestão Diária Recomendada

Referências:

1Marques CDL, et al. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev. Bras. Reumatol. vol.50 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2010.

2Site Minha Vida. Vitamina D: conheça os benefícios e como obter essa substância.

3Vitamina D http://www.rgnutri.com.br/alimentos/vitaminas/vitamina-d.php.

4Science Daily. Low vitamin D levels linked to allergies in kids. Feb/2011.

5Vitamina D Brasil. A deficiência de vitamina D associada à alergia em lactentes. Mai/2013

6Blog da Saúde. Vitamina D. Ago/2014.